O que esperar da safra de cebola 2021/2022 no Brasil e no Mercosul?

O que esperar da safra de cebola 2021/2022 no Brasil e no Mercosul?

O que esperar da safra de cebola 2021/2022 no Brasil e no Mercosul?


Discutir os principais problemas, levantar soluções diante dos desafios da produção e comercialização de cebola no Brasil e também no Mercosul, além de estabelecer perspectivas do mercado, foi o objetivo da live realizada pela ANACE, a Associação Nacional dos Produtores de Cebola, com transmissão feita pelo canal no YouTube da entidade. A Itutex foi patrocinadora do evento.

A conferência foi ministrada pelo presidente da ANACE, Rafael Corsino, e contou com a participação de produtores e delegados estaduais de Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e da região Nordeste, incluindo o engenheiro agrônomo Daniel Schmitt, de Ituporanga, que é delegado da entidade em Santa Catarina.

No caso da safra 2020/2021, no Sul do Brasil, a seca reduziu a produtividade das lavouras colhidas, além de algumas áreas terem sido atingidas por granizo. Dessa forma, o volume foi menor que o esperado com a média de preço na casa dos R$ 2,00.

Santa Catarina perdeu 100 mil hectares de cebola nesta safra. As perdas também atingiram os cultivos do Rio Grande do Sul e Paraná. O estado catarinense corresponde normalmente por 30% da cebola produzida no país. Neste ano, mesmo com a produção reduzida, esta porcentagem fica entre 20% e 30% do mercado nacional, ainda assim, mantendo Santa Catarina como líder nacional da produção da hortaliça.

Já para a safra 2021/2022, Nordeste, Cerrado e São Paulo, há tendência de aumento de área, o que pode limitar a rentabilidade em relação a temporada anterior.

Você pode assistir a live na íntegra abaixo: